Prefeitura de Salvador diz que não tem condições de investir mais verba no transporte público

 Prefeitura de Salvador diz que não tem condições de investir mais verba no transporte público
Compartilha
[wp_bannerize group="Pub - Inferior notícias" random="1" limit="1"]

A situação do transporte público de Salvador sempre foi um ponto de preocupação das gestões municipais. E, com o prefeito Bruno Reis (DEM), a situação não é diferente. De acordo com ele, são investidos R$ 14 milhões mensais no setor e não há verba em caixa para que o valor seja aumentado.

“Ontem recebemos a visita dos empresários de outras duas bacias e, segundo eles, se a Prefeitura não der mais apoio, não tem como pagar o salário dos rodoviários em abril”, revelou.

Para tentar driblar o problema da lotação do transporte durante a pandemia, o democrata ressaltou que foi feito um estudo técnico, com base em dados do Salvador Card, sobre os horários de maior demanda, que são entre 6h e 8h, e 17h e 19h.

“Um caminho é ofertar durante o dia e não ter demanda maior nesses horários. Vamos validar com o segmento os horários de funcionamento. A partir de amanhã [12 de março], vou avaliar o cenário para saber se as medidas serão prorrogadas ou não”, garantiu.

Consórcio de vacinas
Já em relação à vacinação em Salvador, Bruno Reis afirmou que “o consórcio formado pelos prefeitos vai ser instalado dia 22 de março e, até lá, as conversas estão ocorrendo, para a Prefeitura fazer a compra direta ou, se tiverem doses, disponibilizar ao consórcio”.

O prefeito explicou que, com o consórcio, as chances de aquisição direta dos imunizantes é mais vantajosa, uma vez que os laboratórios fazem a venda em grandes quantidades de doses. “Os prefeitos vão informar quantas doses têm condições de comprar. A depender do quantitativo, fica mais vantajoso para o laboratório vender para o consórcio”, concluiu.

*Todos os comentários são de responsabilidade dos seus autores