O que pode ou não funcionar? Veja como será o retorno das atividades não essenciais em Salvador

 O que pode ou não funcionar? Veja como será o retorno das atividades não essenciais em Salvador
Compartilha
[wp_bannerize group="Pub - Inferior notícias" random="1" limit="1"]

Após 30 dias de medidas restritivas para conter o avanço do coronavírus, a capital baiana vai começar a retomar as atividades não essenciais a partir de hoje (5). O anúncio foi feito na última semana pelo prefeito de Salvador, Bruno Reis, que definiu um esquema de escalonamento gradual que contempla quatro fases. Depois da fase roxa, quando só funcionavam atividades essenciais, a cidade vai entrar na fase vermelha, com suspensão de alguns setores por dia e toque de recolher postergado das 18h para 20h.

“Evitamos o colapso na saúde, embora não possa afirmar que estamos livres disso se não mantivermos o isolamento social. Porém, neste momento, este é o cenário que nos dá tranquilidade e conforto para tomar as decisões de reabertura do comércio”, disse Bruno Reis, durante o anúncio das medidas de flexibilização.

Salvador tem, atualmente, uma taxa de ocupação de 75% para leitos clínicos de tratamento covid e 81% de UTI adulto. São 175.681 casos confirmados e 4.846 óbitos causados pelo coronavírus. Já para os leitos infantis, as taxas são de 62% e 37%, respectivamente. Os dados são da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

O CORREIO organizou um guia com as principais informações sobre o que funciona e o que pode abrir, assim como os detalhes dessa flexibilização por fase, como horários e também setores e dias que podem abrir, de acordo com as normas estabelecidas pela gestão municipal (confira abaixo).

Para o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado (Fecomércio-BA), Carlos Andrade, o comércio está pronto para voltar. “A nossa perspectiva é que tenhamos uma volta segura. Quem mais tem interesse em manter o protocolo é o setor, com certeza. A partir de amanhã [segunda], vamos ter a tranquilidade para funcionarmos com cautela e precaução”.

O presidente da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), Edson Piaggio, pontuou que a entidade fez uma revisão do protocolo anterior, aumentando a disponibilidade de álcool em gel e o controle do número máximo de pessoas em um mesmo ambiente. “Tornamos nosso protocolo ainda mais seguro nesse momento e recebemos com muita alegria essa retomada das atividades. Estamos convencidos de que vamos oferecer esse ambiente ainda mais seguro e com um rigoroso controle das medidas de distanciamento e que impeçam aglomerações”.

Limitações
No entanto, o setor de bares e restaurantes defende uma flexibilização maior. “Estamos muito preocupados. Em pesquisa que realizamos, 80% do faturamento depende das vendas na hora do jantar, diferente do comércio comum. Mesmo com a retomada continuaremos sendo muito afetados. Sete entre cada dez restaurantes vão sucumbir diante desse quadro. Nenhuma operação se viabiliza nesse caminho”, defende. O horário máximo de abertura será as 19h para bares e restaurantes.

O presidente da Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação (FEBHA), Silvio Pessoa, concorda: “Para os setores da economia que trabalham de dia e restaurantes que operam no almoço, é um alivio. Mas para boa parte dos bares e restaurantes, que depende das vendas à noite, a atividade ainda fica muito prejudicada. Nós estamos fazendo a nossa cota de sacrifício”, complementa.

Fase vermelha
Começa a entrar em vigor nesta segunda (5), com a retomada dos serviços não essenciais de forma escalonada, suspensão de alguns setores por pelo menos dois dias e alteração do horário do toque de recolher, que sai de 18h às 5h para 20h às 5h. Podem funcionar diariamente os serviços de saúde, supermercados, panificadoras, delicatessens, açougues e conveniências, farmácias e drogarias, agências bancárias, lotéricas, laboratórios de análises clínicas, postos de combustíveis, call centers, oficinas mecânicas e borracharias, cemitérios e serviços funerários, hotéis, pousadas e demais estabelecimentos de alojamento, academias de ginástica e similares, cursos livres, templos religiosos e igrejas.

De segunda a sexta
Também estarão liberados a funcionar, só que de segunda a sexta, atividades da construção civil (7h às 16h), clínicas de estética (7h às 15h), indústria (7h às 15h), funcionalismo público não essencial (9h às 16h), escritórios administrativos, contabilidades, consultoria e similares (10h às 17h), escritórios de advocacia (10h às 17h) e autoescolas (10h às 19h).

De terça a sabado
Volta a funcionar o comércio de rua (de 10h às 18h, sendo que aos sábados esses estabelecimentos estarão livres para abrir em qualquer horário), shoppings centers, centros comerciais e semelhantes (de 10h às 19h, sendo que os prestadores de serviços localizados nesses locais devem obedecer ao horário dos centros de compras), barbearias, salões de beleza e similares (10h às 18h).

De quarta a domingo
Estão liberados para abrir restaurantes e bares, das 10h às 19h. Os estabelecimentos instalados em shoppings devem obedecer ao fechamento dos centros de compras (19h), exceto quando houver entrada independente. As lanchonetes poderão abrir de 7h às 15h.

Continuam fechados
Na fase vermelha permanecem fechados os centros culturais, museus e galerias de arte, clubes sociais, recreativos e esportivos, cinemas, teatros, espaços de eventos sociais (casamento, aniversário, bodas, formatura e similares), espaços de eventos infantis, parques de diversão e parques temáticos, campos e quadras públicas, centros e espaços de convenções, praias e parques.

Fase amarela
Nessa etapa, as atividades também seguirão escalonamento, mas o toque de recolher passará a iniciar às 23h.

Fase verde
A última fase prevê o comércio funcionando em dias e horários específicos, mas com o fim do toque de recolher.

*Todos os comentários são de responsabilidade dos seus autores