Mostrei meu lado mais azedo, disse Karol Conka

 Mostrei meu lado mais azedo, disse Karol Conka
Compartilha
[wp_bannerize group="Pub - Inferior notícias" random="1" limit="1"]

Como de costume, a eliminada da terça-feira do Big Brother Brasil participa do café da manhã do Mais Você na quarta. Sendo assim, a rapper Karol Conká foi a convidada de Ana Maria Braga e iniciou a conversa pedindo desculpas ao país após sair do reality com a maior rejeição da história, 99,17%.
“Descobri que sou a nova Carminha, Nazaré [citando personagens da dramaturgia]. Eu me passei, né Brasil? Não tenho nem o que falar. Só quero dizer que essa pessoa má que fui lá dentro não sou eu aqui fora, senão não teria conquistado tudo que conquistei na carreira”, iniciou.

A apresentadora então perguntou qual seria a motivação para os altos números do público. “A culpa da minha saída foram minhas atitudes péssimas. Estava sendo invadida por uma amargura. Todo mundo tem um lado bom e um lado ruim e o meu se aflorou. Me perdi de mim e acabei mostrando o lado mais azedo”, lamentou.  

 

A curitibana disse que dormiu por 40 minutos e que passou a noite com a mãe e o filho, revendo coisas e atitudes. Ao assistir a sequência da briga com Carla Diaz, admitiu: “Fui completamente boba, dissimulada. Olha que vergonha”, indicou.

 

Em seguida, rebateu os comentários do humorista Nego Di, que colocou a culpa nela de algumas de suas atitudes dentro do reality. Porém, pediu desculpas. “Realmente a minha postura não foi nada legal. Me arrependo profundamente. Se eu pudesse voltar no tempo, não teria feito muita coisa”, pontuou.

Durante o papo, Ana Maria pediu ainda para que ela adjetivasse alguns desses problemas pessoais que acendeu suas atitudes “agressivas”. “Acho que levei minha perturbação para casa e fiz os outros ficarem tristes. Eu me considero uma pessoa segura, mas dentro da casa senti muita insegurança. Tenho problemas pessoais; são traumas”, falou.

“Por exemplo, com o Lucas, eu lembrava de momentos com meu pai. Não aprendi a resolver as coisas com carinho. Não digo na família, pois minha mãe sempre foi muito querida, mas fora mesmo. Muitas vezes era recebida com ‘rajada’. Acho que isso não justifica nada. Acho extremamente importante falar sobre isso e expor. Estava bem vulnerável alí”, disse.

Na competição, a curitibana relatou que o genitor sofria com alcoolismo.

*Todos os comentários são de responsabilidade dos seus autores