Ministério da Saúde tem senhas vazadas

 Ministério da Saúde tem senhas vazadas
Compartilha
[wp_bannerize group="Pub - Inferior notícias" random="1" limit="1"]

Informações apuradas pelo Estadão apontam que o Ministério da Saúde foi alvo de um vazamento de senhas dos seus sistemas que expôs informações médicas de cerca de 16 milhões de brasileiros que tiveram diagnóstico suspeito ou confirmado para o novo coronavírus.

Segundo o Estadão, dados pessoais e médicos ficaram expostos na internet durante quase um mês. As informações pessoais divulgados incluem CPF, endereço, telefone e a relação de doenças pré-existentes.

A lista de pessoas que tiveram os dados expostos inclui personalidades políticas do Brasil, a exemplo do presidente da República, Jair Bolsonaro (Sem Partido), e outros familiares; o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello; outros seis titulares de ministérios, como Onyx Lorenzoni e Damares Alves; o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e mais 16 governadores, além dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

As senhas forneciam acesso aos registros de Covid-19 lançados em dois sistemas federais: o E-SUS-VE, em que são notificados casos suspeitos e confirmados da doença quando o paciente tem quadro leve ou moderado; e o Sivep-Gripe, em que são registradas todas as internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), ou seja, os pacientes mais graves e com confirmação para o novo coronavírus.

O vazamento de dados não tem relação com o ataque hacker sofrido pelo Ministério há algumas semana, afirma a reportagem do Estadão. A explicação é de que as informações ficaram abertas para consulta após um funcionário do Hospital Albert Einstein divulgar uma lista com usuários e senhas que davam acesso aos bancos de dados de pessoas testadas, diagnosticadas e internadas por Covid nos 27 Estados.

*Todos os comentários são de responsabilidade dos seus autores