Junho Verde: IPTU Verde e Amarelo contribuem para redução de até 40% na conta

 Junho Verde: IPTU Verde e Amarelo contribuem para redução de até 40% na conta
Compartilha

Em meio a tantos produtos em alta, viver se tornou um custo caro e difícil de quitar. Mas, existem formas de reduzir esses danos, principalmente quando se trata de práticas sustentáveis, como programa IPTU Verde e IPTU Amarelo, da Secretaria de Sustentabilidade e Resiliência (Secis) de Salvador, que dá descontos de até 40% no IPTU de empreendimentos da capital baiana.

No Junho Verde BNews, a secretária da pasta, Marcelle Moraes, ressaltou os benefícios do programa. “Para o IPTU Verde e IPTU Amarelo, de acordo com a categoria de enquadramento, os requerentes poderão obter de 5% (cinco por cento) a 10% (dez por cento) de desconto no valor do IPTU, e de 25% (vinte e cinco por cento) a 40% (quarenta por cento) de desconto pela Outorga Verde”, explicou Marcelle Moraes.
Contudo, existem critérios específicos para se beneficiar com cada categoria. Confira:

  • Para o IPTU Verde, são 70 práticas sustentáveis, cada uma com uma pontuação específica, nas seguintes áreas: Gestão Sustentável das Águas, Eficiência e Alternativas Energéticas, Projeto Sustentável, Bonificações e Emissões de Gases de Efeito Estufa.
  • No IPTU Amarelo, a iniciativa é voltada para a adoção da energia fotovoltaica na residência, levando em consideração a energia gerada pelo sistema e a energia consumida pela residência.

Isso significa que as duas modalidades do programa da Secis são direcionadas para empreendimentos residenciais, comerciais, mistos e indústrias que adotem práticas sustentáveis em seu imóvel; empresas especializadas em tecnologias sustentáveis e energia renováveis; arquitetos, engenheiros e empresas da construção civil.
Desta forma, é possível incentivar boas práticas com o meio ambiente, além de ganhar benefícios.
“A sustentabilidade urbana através de descontos no valor do IPTU e Outorga Onerosa para empresas do ramo da construção civil e de energias renováveis, e empreendimentos imobiliários que adotem medidas de estímulo à proteção, preservação e recuperação do meio ambiente, minimizam os efeitos negativos e impactos decorrentes da urbanização ao criar um modelo de desenvolvimento sustentável que movimente o mercado de empresas especializadas em tecnologias sustentáveis, resultando em geração de emprego e renda e movimentando a economia da cidade”, destacou a secretária da Secis.

*Todos os comentários são de responsabilidade dos seus autores