A gente gritava estão matando o cara, mas continuaram até ele parar de respirar’

 A gente gritava estão matando o cara, mas continuaram até ele parar de respirar’
Compartilha

Porto Alegre – A morte de João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, espancado por um policial e um segurança do supermercado Carrefour de Porto Alegre na noite desta quinta-feira (19), causou revolta nas testemunhas que presenciaram o ato brutal. Paulão Paquetá, vizinho da vítima contou que as pessoas tentaram impedir a ação, mas sem sucesso. “Estava chegando no local na hora das agressões. Eu estava a uns 10 metros quando começou. Tentamos intervir, mas não conseguimos”, relata.Paulão diz que a esposa da vítima, um homem negro, também viu o espancamento, mas foi impedida de intervir. “Ela viu o marido sendo morto”, lamenta.

*Todos os comentários são de responsabilidade dos seus autores